Brasília

“Em Brasília, admirei.
O pequeno restaurante clandestino,
criminoso por estar
fora da quadra permitida.
Sim, Brasília.
Admirei o tempo
que já cobre de anos
tuas impecáveis matemáticas.

Adeus, Cidade.
O erro, claro, não a lei.
Muito me admiraste,
muito te admirei.”

(Paulo Leminski – Claro calar sobre uma cidade sem ruínas).

Este slideshow necessita de JavaScript.